Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Tenho medo!

por aparecidamaria, em 19.02.13

Este Blog eu criei para escrever minhas teorias do mestrado, meus pensamentos, a minha vida , que se resume em determinação a continuar o que parei...

Hoje refleti muito e percebi que tenho muito coisa a escrever... muitas experiências maravilhos que deus me Deu, para contrar através destas teclas, tenho que admitir tenho falhado com Deus e comigo mesmo...escondi de tudo o que quero com medo de vivenciar os desafios da vida, do cotidiano da vida.

Mas parece que resurgi das cinzas, já ouviram isso...

amigos esperem! virão coisas interessantes para ler...

obrigadas aqueles que tem olhado e lido tudo que postei...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:59

VOCÊ TEM DÚVIDA DISSO?

por aparecidamaria, em 19.02.13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:00

LENDO E ANALISANDO

por aparecidamaria, em 19.02.13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:56

VIDA - LIVRO

por aparecidamaria, em 16.02.13

 

A vida é como um livro que deve ser folheado página por página sem se consultar o índice.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:00

A VIDA REAL É ASSIM!!!!

por aparecidamaria, em 16.02.13

Forçar-se a fazer o que não quer, é se matar aos poucos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:41

LEVANDO NOSSOS PROBLEMAS A JESUS

por aparecidamaria, em 15.02.13

 

MARCOS 1.29-31

                1.29   E, saindo eles da sinagoga, foram, com Tiago e João, diretamente para a casa de Simão e André. 1.30   A sogra de Simão achava-se acamada, com febre; e logo lhe falaram a respeito dela. 1.31   Então, aproximando-se, tomou-a pela mão; e a febre a deixou, passando ela a servi-los.
                INTRODUÇÃO
              Um menino inglês, chamado William, que frequentava a Escola Dominical. Mesmo não sendo crente, sua mãe, uma viúva, o estimulava a não faltar. Um dia, William ouviu com interesse a historia que a professora contou. Era o fato registrado em Mateus 17.24-27, em que Jesus diz a Pedro que vá ao mar, lance o anzol, tire o primeiro peixe que subir. Na boca desse peixe, Pedro encontrara a moeda com a qual será pago o imposto. Desafiado em sua fé, William volta pra casa pensando na pobreza em que ele e sua mãe vivem. Ele conclui que se Jesus Cristo e o mesmo ontem, hoje e o será eternamente, por que ele não pode repetir o milagre hoje? William pegou as poucas moedinhas que tinha e foi à peixaria de sua cidadezinha. Quis comprar um peixe grande, mas o dinheiro que trazia não dava pra pagar pelo peixe todo. Então, num rasgo de inteligência, sugeriu ao vendedor que lhe vendesse apenas a cabeça do peixe, na suposição de que a grande e esperada moeda estaria ali, na boca do peixe. O vendedor embrulhou a cabeça de um peixe numa pagina de jornal. William voltou para casa exultante. Chamou a mãe e lhe contou a historia da professora da Escola Dominical. Com entusiasmo falou da moeda na boca do peixe que Pedro achou, sob as ordens de Jesus e que a mesma coisa aconteceria com ele. E começou a desembrulhar a cabeça de peixe; estaria ali o seu tesouro? Abriu a boca do peixe e nada! A decepção foi tão grande que William chorou. Chorou tanto que acabou dormindo. Enquanto dormia, sua mãe, também frustrada com a experiência, começou a ler aquela pagina de jornal trazida da peixaria. Qual não foi a sua surpresa ao deparar um anuncio nessa pagina única que tinha nas mãos. Um advogado anunciava que um parente dessa mulher, não tendo herdeiros, deixava pra ela toda a sua fazenda, e como não a encontrasse por outros meios, fazia-o agora por meio do jornal. A mãe de William correu a acorda-lo. E se o menino chorara antes de decepção, chorava agora de puro contentamento. Deus viu a fé que o menino alimentara, e se não respondeu de um modo, respondeu de outro.
                Existem pessoas que não acreditam em milagres. Pensam que Deus não age na história e não pode livrar uma pessoa da enfermidade. Acreditam que Deus não cura mais hoje. Acreditam que Jesus não é mais o EU SOU, mas o EU ERA. Acreditam que os dons cessaram, e o que aconteceu na Bíblia foram eventos específicos para aquela situação específica.
                Estamos diante de uma cura física. É a história de cura mais curta e simples da Bíblia.
               
                OS DISCÍPULOS LEVARAM SEUS PROBLEMAS A JESUS v.30
                1.30   A sogra de Simão achava-se acamada, com febre; e logo lhe falaram a respeito dela.
                Pedro era um homem casado e sua sogra morava com ele. Pessoas afirmam que Pedro não era casado! Podemos ver claramente que ele vivia o matrimonio no texto bíblico. Casamento é projeto de Deus! Deus não achou bom que o homem estivesse só e por isto fez a mulher.
                Quando a sogra de Pedro ficou enferma, os discípulos levaram o problema a Jesus. Falaram para ele sobre a enfermidade. Nós, de igual modo, devemos levar nossas causas ao Senhor. Podemos cantar com o poeta sacro:“Quando tudo perante o Senhor estiver, e todo o meu ser, ele controlar. Só então, hás de ver, que o Senhor tem poder, quando tudo, deixares no altar”.
                Isso nos prova que eles criam que Jesus era compassivo e poderoso. Jesus se importa com os problemas das pessoas e tem poder para socorrê-las.
                Essa expressão: “e logo lhe falaram a respeito dela” dá-nos confiança para vir a Jesus com nossas necessidades e problemas. Geralmente, nós buscamos todos os outros recursos antes de irmos ao Senhor. Devemos, buscá-lo em primeiro lugar. A Bíblia nos ensina a falarmos com Jesus sobre nossas necessidades. Todas as soluções para os nossos problemas devem começar pela oração.
                Quando ficamos doentes, procuramos um médico. Quando temos problemas, com a lei, procuramos um advogado. Quando precisamos de ajuda, procuramos um amigo, mas acima de tudo e em qualquer circunstância, devemos procurar primeiro o Senhor Jesus, depois devemos sim ir aos recursos humanos!
                Jacó clamou pelo socorro divino quando se viu com um problema: 32.9   E orou Jacó: Deus de meu pai Abraão e Deus de meu pai Isaque, ó SENHOR, que me disseste: Torna à tua terra e à tua parentela, e te farei bem; 32.10   sou indigno de todas as misericórdias e de toda a fidelidade que tens usado para com teu servo; pois com apenas o meu cajado atravessei este Jordão; já agora sou dois bandos. 32.11   Livra-me das mãos de meu irmão Esaú, porque eu o temo, para que não venha ele matar-me e as mães com os filhos. (Gn 32.11).
                Quando Lázaro ficou doente suas irmãs procuraram a Jesus: 11.3   Mandaram, pois, as irmãs de Lázaro dizer a Jesus: Senhor, está enfermo aquele a quem amas. (Jo 11.3).
                A Bíblia nos ensina a lançar sobre Ele toda a nossa ansiedade: 5.7   lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós. (1Pe 5.7).
                AS NOSSAS CAUSAS IMPOSSÍVEIS SÃO POSSÍVEIS PARA JESUS v.31
                1.31   Então, aproximando-se, tomou-a pela mão; e a febre a deixou, passando ela a servi-los.
                A sogra de Pedro estava acamada. A palavra “acamada” pode ser traduzida por “estar prostrada”. A palavra grega para “febre” é a mesma palavra para fogo. Mateus diz que ela estava ardendo em febre: 8.14   Tendo Jesus chegado à casa de Pedro, viu a sogra deste acamada e ardendo em febre. (Mt 8.14). Lucas, que era médico, usando um termo mais técnico diz que ela estava com uma febre muito alta: 4.38   Deixando ele a sinagoga, foi para a casa de Simão. Ora, a sogra de Simão achava-se enferma, com febre muito alta; e rogaram-lhe por ela. (Lc 4.38).
                Na Palestina havia três tipos de febres:
                1) A febre de Malta – acompanhada de grande anemia e debilidade;
                2) A febre tifóide – era uma febre intermitente;            
                3) A febre malária – as regiões pantanosas do Jordão eram infestadas de mosquitos da malária. Em Cafarnaum abundavam os casos de malária. O enfermo tinha acessos de febre e calafrios. Na região pantanosa ao redor de Cafarnaum, com seu clima subtropical, é provável que a sogra de Pedro tivesse sido acometida de malária. Essa não era uma enfermidade simples. Era chamada de febre mortal (Jo 4.52).
                Os discípulos estavam diante de uma causa impossível, mas eles levaram-na a Jesus. Eles contaram para Jesus e confiaram nele e o milagre aconteceu.
                
                Jesus tocou a sogra de Pedro, deu ordem à febre e a mulher levantou. A doença ouve sua voz. O vento obedece a sua voz. O mar atende à sua voz. Os anjos obedecem às suas ordens. Os demônios batem em retirada à autoridade de sua voz. Nada pode resistir ao seu poder. A febre, ventos, as ondas, as tempestades, nada disso fazia diferença para Jesus. Ele exercia completo controle sobre tudo isso.
                O resultado foi que a febre a deixou. Todos os sintomas da febre desapareceram imediatamente. Ela se levantou e passou a servi-los. Não houve nenhum truque, nenhum engodo, nenhuma palavra mágica nem expediente para impressionar os circunstantes.
                A cura foi imediata: “e a febre a deixou” (1.31); totalmente: “logo se levantou” (Lc 4.38,39) e permanente: “passando ela a servi-los” (1.31).
                Temos que levar nossos problemas para Jesus! Seja na área da saúde, financeira, familiar, pessoal, etc.
               
                DEUS IRÁ CURAR SEMPRE?
                Por outro lado temos que tomar cuidado com o pensamento que Deus irá curar sempre. Líderes ensinam que ensinam que o cristão não pode padecer, e que o diabo é o protagonista de todas as enfermidades e por isso devemos rejeita-la como rejeitamos o pecado.
                Ensinam que não devemos orar pela cura, dizendo: “se for da tua vontade”, pois é sempre da vontade de Deus curar, mesmo Jesus nos ensinando isso na oração do “Pai Nosso”. Ensinam que a falta de fé e o pecado são a única causa que inibe a cura.
A BÍBLIA FALA DE HOMENS SANTOS QUE FICARAM DOENTES
ELISEU
“Ora, Eliseu estava sofrendo da doença da qual morreria. Então Jeoás, rei de Israel, foi visitá-lo e, curvado sobre ele, chorou gritando: "Meu pai! Meu pai! Tu és como os carros e os cavaleiros de Israel!" (2 Rs 13:14)
TIMÓTEO
“Não continue a beber somente água; tome também um pouco de vinho, por causa do seu estômago e das suas freqüentes enfermidades” (1 Tm 5:23)
PAULO
“Para impedir que eu me exaltasse por causa da grandeza dessas revelações, foi-me dado um espinho na carne, um mensageiro de Satanás, para me atormentar”. (2 Co 12:7).
Sim, percebemos que é possível um crente fiel, como o Apóstolo Paulo, Timóteo, o profeta Eliseu, e tantos outros santos homens de Deus, padecer de uma enfermidade.
Deus cura através dos meios – O plano de Deus inclui tanto a medicina humana como a divina. Há lugar para a prevenção e para a cura. Há lugar tanto para a oração da fé quanto para a terapêutica do remédio. Há lugar tanto para a ação sobrenatural de Deus quanto para a ação natural do conhecimento humano. A medicina não age à parte de Deus, mas como instrumento de Deus.
“É errado procurar um médico, sob quaisquer circunstâncias. Aqueles que apelam para um médico, que são internados em hospitais, demonstram uma falta de fé que desonra a Deus” (R. R. Soares)
A teologia reformada não crê dessa forma, mas ao contrário, cremos que Deus é o criador de toda a ciência, e Deus que dá a sabedoria aos seres humanos, para se desenvolverem e criarem novas formas de desenvolvimento. A ciência e a fé são complementares. O Deus da Bíblia é também o Deus do cientistas. Pode ser adorado em uma catedral ou no laboratório. Todos os cristãos dirigem carros, utilizam energia elétrica, e prestam atenção na previsão do tempo.

A VONTADE DE DEUS   
A Bíblia diz: A nossa vontade nem sempre coincide com a vontade de Deus e a vontade de Deus deve ser levada a sério. Na oração modelo, o Senhor Jesus mesmo coloca em nossos lábios o respeito pela soberania de Deus: “Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mt 6.10). O próprio Jesus, em sua tremenda agonia no Getsêmani, três vezes seguidas suplicou a suspensão do cálice do sofrimento sem abrir mão da submissão devida a Deus: “Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres” (Mt 26.39).
A Bíblia diz que Davi não foi atendido em seu pedido choroso, em favor da sua filha gravemente enferma: “18 Ao sétimo dia a criança morreu; e temiam os servos de Davi dizer-lhe que a criança tinha morrido; pois diziam: Eis que, sendo a criança ainda viva, lhe falávamos, porém ele não dava ouvidos à nossa voz; como, pois, lhe diremos que a criança morreu? Poderá cometer um desatino. 19 Davi, porém, percebeu que seus servos cochichavam entre si, e entendeu que a criança havia morrido; pelo que perguntou a seus servos: Morreu a criança? E eles responderam: Morreu. 20 Então Davi se levantou da terra, lavou-se, ungiu-se, e mudou de vestes; e, entrando na casa do Senhor, adorou”. (2Sm 12.18-20).
DEVEMOS LEVAR OS NOSSOS PROBLEMAS A DEUS
É certo que a Bíblia encoraja a oração em favor dos doentes. É uma das obrigações da igreja: “Entre vocês há alguém que está doente? Que ele mande chamar os presbíteros da igreja, para que estes orem sobre ele e o unjam com óleo, em nome do Senhor. A oração feita com fé curará o doente; o Senhor o levantará. E se houver cometido pecados, ele será perdoado” (Tg 5.14-15). Mas nem sempre o doente é levantado por Deus, não por falta de fé nem por ter cometido algum pecado não confessado. Muitos cristãos notáveis por este mundo afora adoecem, permanecem doentes e morrem.
                1.29   E, saindo eles da sinagoga, foram, com Tiago e João, diretamente para a casa de Simão e André. 1.30   A sogra de Simão achava-se acamada, com febre; e logo lhe falaram a respeito dela. 1.31   Então, aproximando-se, tomou-a pela mão; e a febre a deixou, passando ela a servi-los.

http://pastordanieldutra.blogspot.com.br/2012/12/mensagem-levando-nossos-problemas-jesus.ht

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:57

O SER HUMANO DISTANTE DE DEUS

por aparecidamaria, em 15.02.13

O SER HUMANO DISTANTE DE DEUS É DOENTE


O ser humano distante de Deus é um ser doente! A queda não trouxe apenas alguns arranhões à humanidade, mas ruína, destruição e morte espiritual. O homem não precisa só de cosméticos para melhorar sua aparência; ele precisa de ressurreição para levantá-lo da morte.
Grande parte de nossos sofrimentos, origina-se por uma decisão nossa. Foi a humanidade e não Deus que inventou as facas, os arcos e flechas, as armas, as bombas e todas as formas de instrumentos usados para tortura ao longo dos anos. Não se pode culpar Deus pela tragédia de ter um filho atropelado por um motorista embriagado.
Temos sido atropelados por uma infinidade de temas sérios que atingem e comprometem toda a sociedade, e que se agravam a cada dia apesar das tentativas de contê-los: - Corrupção, - Violência – Adultério - Miséria e pobreza - Prostituição infantil – Drogas – Alcoolismo. Sempre que surge um novo escândalo em qualquer uma dessas áreas, educadores protestam contra a falta de investimento na educação, psicólogos analisam o comportamento das pessoas, sociólogos estudam o efeito das mudanças na civilização, políticos nomeiam comissões e jornalistas noticiam, cada um buscando alternativas para uma realidade que cresce e perturba. Alguns afirmam que o problema é a educação. Outros afirmam que é a família desestruturada.
Por trás de cada ato de violência, corrupção ou imoralidade está, muito antes das deficiências na educação ou dos distúrbios de comportamento, a quebra de um mandamento. Está o ser humano distante de Deus doente!
O pensador francês Jean Jacques Rousseau postulou erradamente que o homem é essencialmente bom. O mal não está somente nas estruturas sociais. O mal não é apenas um subproduto do ambiente. O coração do homem é a fonte poluída de onde jorra toda sorte de sujeira e maldade. O caos infernal da sociedade é apenas um reflexo da malignidade do corrupto coração humano.

http://pastordanieldutra.blogspot.com.br/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:00

Viva feliz! viva sem ressentimento.

por aparecidamaria, em 13.02.13
Se, você recebeu um tratamento péssimo daquele cliente, daquela namorada(o), do professor(A), do seu esposo (A), dos seus pais, dos seus filhos, dos vizinhos, do seu chefe, dos seus colegas... Você tem toda razão em ter sentido mágoa, tristeza e desapontamento quando isso aconteceu. Mas sentir tais coisas só tem lógica se for naquele momento. Nunca mais.

Se você está, ainda hoje, sentindo essa decepção, essa tristeza, essa mágoa com outra pessoa, então você está ressentido, ou ressentida, com ela. Veja com atenção o significado da palavra ressentimento:
RE-SENTIMENTO. Sentir novamente.

Sentir infinitamente, para alguns. Qual a razão de usar sua mente para sentir novamente coisas ruins, fragilidades e decepções? Não me refiro a nenhum princípio religioso, espiritual ou moral, somente uma razão prática: sentir coisas ruins novamente não tem absolutamente nenhuma função, exceto prender você ao passado e tornar você uma eterna vítima de alguém que nem mesmo está tentando prejudicar você mais. Ao guardar qualquer ressentimento você está se acorrentando a alguém que lhe fez mal, mesmo que essa pessoa não queira mais isso. Você está re-sentindo a dor que só existe em sua memória. Repita comigo: nunca mais.

A outra pessoa, por pior que tenha sido, não será prejudicada por seu ressentimento. Mas você será. Você desperdiçará momentos únicos das suas vinte e quatro horas para pegar o punhal que alguém usou contra você há semanas, meses, anos ou décadas atrás e, acredite ou não, você mesmo estará se apunhalando dia após dia, com seu re-sentimento. Nunca mais.

Se o problema tiver sido com um cliente, ficar ressentido não ajudará sua próxima venda. Se tiver sido com a ex-namorada(O), ficar ressentido não tornará você atraente para a próxima(O), e talvez definitiva. Se tiver sido com seu marido ou sua esposa, ficar ressentida não ajudará comunicar-se e corrigir a situação. Se tiver sido com... Qualquer pessoa, ficar ressentido não ajudará você. Pode até ajudar ela a se livrar de você. Se o caso for tão grave que tenha que ser resolvido em tribunais, deixe advogados cuidando disso e se concentre em sua vida e sua felicidade. Não caia na armadilha do ressentimento. Nunca mais.

E, se mesmo com toda a lógica do mundo, você ainda estiver "sentindo re-sentimento" e mágoa de alguém, lembre-se do que disse William Shakespeare: Guardar ressentimento é como tomar veneno e esperar que a outra pessoa morra.

Não posso deixar esse sentimento tomar conta de mim, tenho que olhar para frente e dizer fiz tudo que fiz e faria de novo se fosse preciso, afinal não me envergonho de nada, alias quem tem que se envergonhar são as pessoas que não têm palavras, não cumprem o que prometem.

É isso aí Cida mais um dia à luta!!!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:56

Um sonho a ser realizado por mim!!!!

por aparecidamaria, em 13.02.13

 

 

1.1.    INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS E A CIÊNCIA

 

1.1.1.       Inteligências Múltiplas e Neuropsicologia

 

Uma das fontes para a escolha das inteligências propostas foi o estudo de como tais capacidades falham sob condições de lesão cerebral. Isto pressupõe que cada inteligência possui uma localização cerebral. Assim sendo, uma lesão que incapacitaria determinada inteligência, deixaria as demais intactas.

A região têmporo-paríeto-ocipital é responsável ao mesmo tempo pelas inteligências lógico-matemática, lingüística e espacial. As inteligências pessoais também são comandadas por uma única área: os lobos frontais.

Isto invalida a independência das inteligências que Gardner propõe. Imaginemos uma lesão na região têmporo-paríeto-ocipital. Ela acabaria por afetar três inteligências ao mesmo tempo e não apenas uma.

Além disso, neste caso, os desenvolvimentos das inteligências lógico-matemática, lingüística e espacial não aconteceriam separadamente, mas seriam dependentes entre si. Luria (1981, p. 24-25) desenvolve uma explicação destas áreas como sendo integradoras e essencialmente 22 espaciais. Assim, tanto a matemática quanto a gramática seriam trabalhadas pelo cérebro de uma forma espacial. Uma deficiência espacial tornaria incapazes tarefas de relacionar "espacialmente" os números entre si e construir uma frase trabalhando as relações "espaciais" entre as palavras.

Não se trata das inteligências lógico-matemática e lingüística serem englobadas pela inteligência espacial, mas da aceitação de uma dependência e de uma relação íntima entre determinadas inteligências.

O mesmo ocorre com as inteligências pessoais. É possível perceber que em várias características tais capacidades equivalem-se. Afinal, uma mesma área cerebral é responsável pelas duas. Todo psicoterapeuta conhece e chega mesmo a ser lugar-comum o fato de que só podemos conhecer bem o outro se conhecermos bem a nós mesmos primeiro. Sendo assim uma inteligência interpessoal desenvolvida necessita de uma inteligência intrapessoal também bem trabalhada, o que sugere não existir uma independência entre as inteligências.

 

 

1.1.2.         A Perspectiva Biopsicológica

 

Para falarmos e entendermos a Teoria das Inteligências Múltiplas não podemos esquecer que cada ato cognitivo envolve um agente que executa uma ação ou uma série de ações em alguma tarefa ou domínio. A perspectiva biopsicológica examina o agente e suas capacidades, inclinações, valores e objetivos.

A inteligência é um potencial biopsicológico. O fato de um indivíduo ser ou não considerado inteligente e em que aspectos, é um produto em primeiro lugar de sua herança genética e de suas propriedades psicológicas, variando de seus poderes cognitivos às suas disposições de personalidade.

Segundo Gardner (1998) o talento é sinal de um potencial biopsicológico precoce, em algum dos domínios existentes numa cultura sendo a prodigiosidade uma forma extrema de talento em algum domínio. Mozart, poe exemplo, se qualificou como prodigioso em virtude de seus talentos extraordinários na esfera musical. E os termos especialista e perito são adequados somente depois que um indivíduo trabalhou por cerca de uma década num determinado domínio.

A criatividade é uma caracterização reservada para aqueles produtos que inicialmente são considerados uma novidade dentro do domínio embora acabem sendo reconhecidos como aceitáveis dentro da comunidade adequada.

O termo gênio deve ser designado para aquelas pessoas ou trabalhos que não são só peritos e criativos, mas que também assumem um significado universal ou quase universal.

Na medida em que uma capacidade é valorizada numa cultura, ela pode contar com uma inteligência, mas na ausência desse endosso cultural, a capacidade não seria considerada uma inteligência.

Nos primeiros anos de vida as crianças desenvolvem habilidades simbólicas e conceitos teóricos por meio de interações espontâneas com o mundo na qual vivem. O desenvolvimento inicial é "pré-domínio" e "pré-campo". Elas se desenvolvem apenas com uma vaga atenção aos domínios que existem em sua cultura, e com uma sensibilidade ainda menor à existência dos campos que julgam. Mesmo que o campo fique impressionado com os trabalhos das crianças pequenas, elas prosseguem numa sublime indiferença às operações do campo.

Logo depois que se inicia a escola, as crianças querem conhecer as regras dos domínios e as convenções da cultura, e buscam dominá-las tão rápida e prontamente quanto possível. E assim, para Gardner a existência do domínio, e uma sensibilidade ao campo, surgem como ímpeto.

Este período funciona como aprendizado, um aprendizado rumo à perícia em domínios específicos, um aprendizado rumo à perícia nos hábitos de uma cultura. As condições para uma vida criativa (ou não-criativa) já podem estar sendo criadas, pois a criatividade depende imensamente de traços de personalidade e disposição, e dos acidentes da demografia.

As idades de 15 e 25 anos representam o momento da verdade no desenvolvimento da matriz de talento. Suas inteligências estão sendo desenvolvidas a serviço do funcionamento normal, produtivo, de sua atual sociedade.

Por volta de 30 a 35 anos a situação fundamental na matriz de talento provavelmente já foi determinada.

Aí chega-se a perguntas cruciais: O que pode ser feito para estimular o talento? Que tipos de desempenhos ou realizações extraordinárias são desejadas?  As crianças em diferentes idades possuem necessidades diferentes, respondem a diferentes formas de informação cultural e assimilam conteúdos com diferentes estruturas motivacionais e cognitivas, logo os tipos de regimes educacionais planejados pelos educadores precisam levar em conta esses fatores desenvolvimentais. Os tipos de modelos educacionais que são oferecidos às crianças podem demonstrar a direção que elas poderão tomar, podendo ser encorajadas ou não para a perícia, criatividade, etc. Em nossa sociedade pode haver modelos contrastantes sobre os usos do talento e as maneiras pelas quais ele pode ser desenvolvido.

Qualquer tipo de talento jamais pode ser adequadamente conceitualizado como existindo unicamente na cabeça ou no corpo dos indivíduos. Os educadores devem manter em mente os fatores extrapessoais que desempenham um grande papel no desenvolvimento(ou impedimento) do talento.

 

 

1.1.3.         As Novas Inteligências

 

"Uma lista de 700 inteligências seria proibitiva para o teórico e inútil para o praticante. Conseqüentemente, a teoria das IM tenta articular apenas um número manejável de inteligências que parecem constituir tipos naturais". (GARDNER, 1995, p.45) Esta foi à resposta dada pelo autor da teoria das inteligências múltiplas quando perguntado o que impediria a construção de novas inteligências: elas poderiam deixar de ser 9 e tornarem-se 700!

Porém surge a impressão de que o próprio autor está caminhando contra o que afirmou ao apresentar as "novas" inteligências naturalística, espacial e existencial. Tendo em vista as inúmeras capacidades humanas, por que a escolha arbitrária de algumas delas em detrimento de outras? Se o objetivo era tornar as inteligências manejáveis estando elas em número limitado de modo que o uso prático da teoria possuísse maior eficácia, a adoção de novas inteligências somente dificultaria este processo.

Se Gardner apresenta novas inteligências, nada impede que outras inteligências sejam descobertas – ou criadas – por outros autores. Isto seria muito interessante. Desde que, sejam feitos estudos sérios como os já vistos, tudo é bem vindo. Assim poderemos entender cada vez melhor o mistério da mente humana.

 

 

1.2.         EDUCAÇÃO E APRENDIZADO

 

1.2.1.         Capacidade de Concentração

 

Não existe uma inteligência geral e sim múltiplas inteligências, o cérebro humano também não abriga uma memória geral e sim formas de memorização e competências de concentração subordinadas a cada uma das inteligências.

Freqüentes esquecimentos, estados de permanente desatenção, queda vertical no rendimento escolar ou no trabalho, muitas vezes, são sinais de distúrbios que se situam além desse limites e que podem ser tributados a duas causas: estresse ou um problema neurológico conhecido como distúrbio de déficit de atenção (DDA). Estima-se que de 5 a 8% das crianças em idade escolar apresentam esse problema, muito difícil de ser detectado por exames neurológicos comuns, mas que ganha novas perspectivas com o Tavis-2, um sistema de testes computadorizados.

Em termos de memorização pode-se dizer que, se o que se aprende não é ligado a algo que se conhece, essa aprendizagem permanecerá no cérebro apenas por algum tempo, que será tanto menor quanto menos essa relação for repetida.

Ao construir um conceito, a pessoa não o memoriza, apenas transforma esse conceito em instrumento de ação para elaborar conexões mais elevadas e, dessa forma, resolver problemas.

A seguir, algumas regras para o estímulo das memórias lingüística, espacial e lógico-matemática, como um meio denotador de uma aprendizagem significativa:

§         Motivar, fazer sentir a necessidade do “querer”, não fragmentar o texto e apenas repetir mecanicamente suas partes.

§         Criar imagens mentais que associem as idéias a serem memorizadas a conhecimentos anteriores, pois o novo se constrói com base no anterior, seja para ampliá-lo, negá-lo ou superá-lo.

§         Fazer associações aparentemente grotescas que envolvam as idéias-chave do conteúdo, uma vez que o conhecimento é estabelecido no sujeito por sua ação sobre o objeto e essa ação será tanto mais efetiva quanto mais perceptiva for  e quanto mais eficientemente se produzir o movimento empírico=abstrato=concreto.

§         Associar aos conceitos imagens gráficas e pictóricas, rabiscar com formas o todo em suas partes constituintes.

§         Treinar com freqüência a elasticidade de suas diferentes memórias e imaginar que a mesma ação repetitiva que um exercício físico exerce para melhorar seu desempenho também ocorre com exercícios estimuladores de diferentes memórias.

A identificação de múltiplas memórias permite a aceitação de que não podemos ser ótimos em todas mas podemos melhorar nosso desempenho em cada uma delas e, mais ainda, que, tão importante quanto memorizar alguns dados, é também aprender a esquecê-los quando necessário.

O grande desafio de uma educação consciente consiste em selecionar o que deve ser lembrado, mas também o que deve ser esquecido. Uma memória colossal pode ser um fardo terrível para o ser humano.

 

 

1.2.2.        Inteligência e Aprendizagem

 

Percebe-se a importância da associação da eficiência do ensino com a compreensão de como se processa a aprendizagem, e descobre-se que, sem a aprendizagem, o ensino não se consuma. Essa posição ressalta o valor da perspectiva construtivista da aprendizagem e redefine o papel do professor, não mais um informador que, detendo o conhecimento, transmite-o aos alunos, mas um efetivo colaborador desse aluno, que leva este último a tomar consciência das necessidades postas pelo social na construção de seus conhecimentos com base no que já conhece. Em síntese, o papel do novo professor é o de usar a perspectiva de como se dá a aprendizagem, para que, usando a ferramenta dos conteúdos postos pelo ambiente e pelo meio social, estimule as diferentes inteligências de seus alunos e os leve a se tornarem aptos a resolver problemas ou, quem sabe, criar “produtos” válidos para seu tempo e sua cultura.

As implicações da teoria de Gardner para a educação são claras quando se analisa a importância dada às diversas formas de pensamento, aos estágios de desenvolvimento das várias inteligências e à relação existente entre estes estágios, a aquisição de conhecimento e a cultura.

A teoria de Gardner apresenta alternativas para algumas práticas educacionais atuais, oferecendo uma base para:

a) o desenvolvimento de avaliações que sejam adequadas às diversas habilidades humanas (Gardner & Hatch, 1989; Blythe Gardner, 1 990)

b) uma educação centrada na criança c com currículos específicos para cada área do saber (Konhaber & Gardner, 1989); Blythe & Gardner, 1390)

c) um ambiente educacional mais amplo e variado, e que dependa menos do desenvolvimento exclusivo da linguagem e da lógica (Walters & Gardner, 1985; Blythe & Gardner, 1990)

Quanto à avaliação, Gardner faz uma distinção entre avaliação e testagem. A avaliação, segundo ele, favorece métodos de levantamento de informações durante atividades do dia-a-dia, enquanto que testagens geralmente acontecem fora do ambiente conhecido do indivíduo sendo testado. Segundo Gardner, é importante que se tire o maior proveito das habilidades individuais, auxiliando os estudantes a desenvolver suas capacidades intelectuais, e, para tanto, ao invés de usar a avaliação apenas como uma maneira de classificar, aprovar ou reprovar os alunos, esta deve ser usada para informar o aluno sobre a sua capacidade e informar o professor sobre o quanto está sendo aprendido.

Gardner sugere que a avaliação deve fazer jus à inteligência, isto é, deve dar crédito ao conteúdo da inteligência em teste. Se cada inteligência tem um certo número de processos específicos, esses processos têm que ser medidos com instrumento que permitam ver a inteligência em questão em funcionamento. Para Gardner, a avaliação deve ser ainda ecologicamente válida, isto é, ela deve ser feita em ambientes conhecidos e deve utilizar materiais conhecidos das crianças sendo avaliadas. Este autor também enfatiza a necessidade de avaliar as diferentes inteligências em termos de suas manifestações culturais e ocupações adultas específicas. Assim, a habilidade verbal, mesmo na pré-escola, ao invés de ser medida através de testes de vocabulário, definições ou semelhanças, deve ser avaliada em manifestações tais como a habilidade para contar histórias ou relatar acontecimentos. Ao invés de tentar avaliar a habilidade espacial isoladamente, deve-se observar as crianças durante uma atividade de desenho ou enquanto montam ou desmontam objetos. Finalmente, ele propõe a avaliação, ao invés de ser um produto do processo educativo, seja parte do processo educativo, e do currículo, informando a todo momento de que maneira o currículo deve se desenvolver.

 

1.2.3.        Inteligências Múltiplas e o Construtivismo

 

O construtivismo é um paradigma aberto para ajudar o sujeito a construir experiências que possam ajudá-lo a resolver problemas. Sugere que o sujeito é sempre o centro da produção da aprendizagem, que ele a constrói por meio de múltiplas interações.

O uso de metáforas tem a função de transporte de relações significativas entre um contexto antigo e um novo. É a linha de integração entre pensamentos, é uma transação e uma cooperação entre idéias e contextos.

É imprescindível o uso de jogos como recurso pedagógico, pois o “faz-de-conta” inerente aos jogos contribui para a compreensão dos novos conteúdos que se pretende desenvolver.

Essa construção se manifesta em três momentos significativos: a síncrese (visão caótica do todo), a análise (abstrações que ordenam o caos) e a síntese (totalização das relações).

É nesse contexto que deve ser colocada a aprendizagem, desde a alfabetização até o ensino universitário. Já dizia Paulo Freire que é impossível conceber a alfabetização como a leitura da palavra sem admitir que ela é, necessariamente, precedida de uma leitura de vida, do mundo ao redor. Em geral, a escola, e não somente a escola brasileira, sempre pareceu desejar apagar do cérebro e do corpo da criança uma outra linguagem que é a sua maneira de perceber a vida, o tempo e o mundo que a cercam. Esse desapego pelos conteúdos existenciais inerentes à criança apresenta custos altos e, muitas vezes, irreversíveis, pois significa desprezar a astúcia, a criatividade espacial, a inventividade e os signos desenvolvidos pela infância para se defender de um mundo adulto que, muitas vezes sem perceber, tudo faz para oprimi-la.

O papel do professor é trabalhar essas informações e essa realidade para construir novas imagens. No processo de interação entre o aluno e o objeto a ser conhecido (conteúdos), são construídas representações que se orientam para a lógica dos outros, faz sentido para o sujeito que dessa lógica se apropriou.

Tanto por palavras quanto por sua ação pedagógica, o professor deve levar o aluno a descobrir que o erro não é uma falta grave, uma limitação ou incapacidade, mas um momento legítimo inerente a toda aprendizagem. O erro, em sala de aula ou na execução de uma tarefa escolar eqüivale, mais ou menos, ao ato de, ao procurarmos alguma coisa, olharmos primeiro à direita, em busca do objeto que, na verdade, estava colocado à esquerda.

A prática construtivista no estímulo da múltiplas inteligências, portanto, requer que a escola se transforme em um espaço de formação e de informações em que a aprendizagem de conteúdos, a formação de conceitos, o desenvolvimento de habilidades e a avaliação das tarefas relevantes possam favorecer a interação do aluno na sociedade em que vive e onde necessita aprender a conviver.

Em síntese, a ação construtivista de um professor aproxima seu trabalho do de um poeta. As idéias de Nilson Machado mostram essa aproximação: “A sensibilidade e a competência do professor em estabelecer tais pontes, levando em consideração a rede de significados preexistente no universo, aproxima seu trabalho efetivamente de uma dimensão poética, que sobrepuja os aspectos meramente técnicos de seu fazer; se uma imagem vale mais do que mil palavras, justamente porque pode promover articulações que somente muitas palavras podem lograr, uma proporção analógica, como um poema em ponto pequeno, pode articular inúmeras imagens, inspirando conexões muitas vezes inesperadas.

 

 

2.       OBJETIVOS DO ESTUDO

 

2.1.         Objetivo Específico

§      Caracterizar as inteligências dos alunos de ambientes étnico-culturais diversificados; (teste - procurar na literatura como é que tem sido feito)

§      Analisar o modo como os professores de ciência trabalham e alunos que possuem inteligências diferentes; (observar, gravar aulas)

§      Caracterizar o conhecimento dos professores relativamente as inteligências múltiplas e ao modo como lidam com elas? (questionário)

 

2.2.         Objetivo Geral

 As perguntas de investigação acima citadas serão respondidas com as seguintes questões:

§      Será que os professores de ciências tiram partido da diversidade de inteligências dos seus alunos? Ou será que os professores de ciências usam estratégias adequadas ao desenvolvimento de inteligências relevantes para a aprendizagem destas disciplinas?

 

 

 III – IMPORTÂNCIA DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS

 

 

 

No que se refere à educação levanta-se dois pontos importantes. O primeiro diz respeito ao fato de que, se os indivíduos têm perfis cognitivos tão diferentes uns dos outros, as escolas deveriam, ao invés de oferecer uma educação padronizada, tentar garantir que cada um recebesse a educação que favorecesse o seu potencial individual. O segundo ponto levantado por Gardner é igualmente importante: enquanto na Idade Média um indivíduo podia pretender tomar posse de todo o saber universal, hoje em dia essa tarefa é totalmente impossível, sendo mesmo bastante difícil o domínio de um só campo do saber.

Assim, se há a necessidade de se limitar a ênfase e a variedade de conteúdos, que essa limitação seja da escolha de cada um, favorecendo o perfil intelectual individual.

Quanto ao ambiente educacional, chama-se a atenção para o fato de que, embora as escolas declarem que preparam seus alunos pare a vida, a vida certamente não se limita apenas a raciocínios verbais e lógicos. Ele propõe que as escolas favoreçam o conhecimento de diversas disciplinas básicas; que encorajem seus alunos a utilizar esse conhecimento para resolver problemas e efetuar tarefas que estejam relacionadas com a vida na comunidade a que pertencem; e que favoreçam o desenvolvimento de combinações intelectuais individuais, a partir da avaliação regular do potencial de cada um.

 

 

IV – METODOLOGIA

a continuação vem em seguida.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51


Este Blog-fólio foi criado para uso da Unidade Curricular - TIC - Mestrado em Educação SUPERVISÃO PEDAGÓGICO DO ENSINO DAS CIÊNCIAS

SOU! "COMO DANIEL NA COVA COM OS LEÕES"

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
2425262728



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D